sexta-feira, 30 de junho de 2017

Por do Sol no Parque São Vicente

Uma ótima opção para quem não quer andar muito:

Panorâmica do Parque São Vicente - Foto: Roberto Bessa
Foto: Roberto Bessa
     Uma ótima opção para quem não curte muito trilhar, ou até mesmo andar muito (ou não curte andar nada mesmo pois dá para ir de carro), o Parque São Vicente é uma ótima opção. Bem fácil de chegar, até os mais preguiçoso podem ir, o acesso é por rua (que mapeei no wikiloc, clique aqui), é bem fácil de chegar, e caso você se perca, basta perguntar a qualquer morador dali.

     O tempo estava lindo demais, bem aberto com uma leve neblina bem fraquinha que deu um charme bem especial para as fotografias. Tinha bastante gente por lá então precisamos encontrar um local privilegiado para fazer as fotos, e deu certo!

Foto: Roberto Bessa
     Não tenho muito o que falar do local, é encantador a vista, vale muito à pena fazer uma visitinha! E só posso recomendar à vocês! Se quiserem conferir da outra vez que estive lá, clique aqui, e vocês terão uma ideia de como também é bonito ir durante o dia! Um forte abraço e até a próxima!




Foto: Roberto Bessa

Siga a gente pelas redes sociais:

Apoio Cultural:


Participe:


Informações clique aqui





quinta-feira, 22 de junho de 2017

Expedição e Workshop fotográfico

Ótima oportunidade para você que gosta de fotografia de Natureza e registrar suas trilhas:

Venha participar!
     Aos amantes e apaixonados pela fotografia de natureza e paisagem, trago para vocês a oportunidade de melhorar suas fotografias nas suas trilhas, caminhadas, montanhas e também em viagens, é a Expedição e Workshop na região do PARQUE NACIONAL DO ITATIAIA. 

    Os assuntos abordados durante a expedição serão: Composição, nitidez, panorâmica, HDR, uso do tripé, tratamento de fotografia, photoshop e lightroom, tipos de câmeras, lentes, fotografia com celular, auto retrato e muito mais. Será distribuído um material didático (apostila + DVD) explicando mais detalhadamente a parte de edição e noções de composição.

     Sobre o local, será realizada a expedição e workshop nas dependências do Parque Nacional do Itatiaia, no circuito 5 Lagos: Caminhada de aproximadamente 12km por trilhas bem marcadas, com algumas subidas e descidas de pouco desnível,  trechos curtos com um ou outro “trepa-pedra” sem nenhuma exposição vertical.  

     O que é necessário levar: câmera, tripé (quem tiver), caneta, caderninho pequeno para alguma anotação. Equipamento básico para a caminhada desse porte (água, lanche, bom calçado, mochila e etc...)

     O que está incluso: Expedição, Workshop, transporte (saindo de Volta redonda, passando por Barra Mansa e Resende), entrada no Parque, material didático e certificado.

* a Expedição e o Workshop só será possível acontecer com no mínimo de 10 pessoas ok!
Qualquer informação só entrar em contato! 
Data: 12 de Agosto (Sábado)
(24) 9 8124-2079 whatsApp / (24) 9 9275-6388 (Claro)

Valor R$ 190,00 à vista
Pagamento em até 18x PagSeguro UOL


Apoio:


segunda-feira, 19 de junho de 2017

Areal x Fagundes

Linda travessia em Zona Rural com belíssimas paisagens:

Panorâmica do rio no finalzinho da caminhada
Foto: Roberto Bessa
Rio em Areal - Foto: Roberto Bessa


     No início do ano fizemos essa travessia porém a Inês não conhecia ainda, então aproveitamos o feriado para desfrutar das belas paisagens que essa travessia nos proporciona e estou aproveitando para aprender usar o Wikiloc, o que significa que fui mapeando toda a área e vou disponibilizar aqui para quem quiser fazer o mesmo caminho ok!

     A caminhada propriamente dita começa ainda na entrada de Areal e segue por uma boa parte em área urbana, até chegar à Lanchonete Brasilia que é um ponto onde vale a pena comer um pão de queijo muito gostoso!

Foto: Roberto Bessa
     Seguindo dalí, já narrei outras vezes o caminho, basta clicar aqui para ver, porém da última vez que fomos (19/02/2017) ainda não estava asfaltando, o que significa que daqui a um tempo, esse caminho lindo de se fazer ficará mais cansativo por conta do asfalto. Mas curtimos bem as paisagens do caminho.

     Dessa vez o tempo estava bem fresco, mas mesmo assim pegamos um sol forte no início que não estava castigando tanto por conta de uma leve brisa fresquinha que estava soprando. Depois que saímos do sítio São Lourenço algumas nuvens tomaram conta do céu e nos ajudou a fazer o percurso com mais tranquilidade (chegou até a passar uns ventos mais frios kkk). 

Local com uma vista incrível
Foto: Roberto Bessa
     Pensamos em parar na ponte de arame para lanchar como fizemos da última vez, mas como estavam consertando a estrada, o local parecia um canteiro de obras, e também a presença de uma carcaça de boi estava proporcionando um aroma horrível (rsrsrs), então seguimos um pouco mais à frente e paramos após passar a ponte que cruza o rio. 

     Desse ponto em diante existe uma subida bem forte que em dias de sol quente e após percorrer todo o caminho já percorrido, ela fica bem cansativa de fazer pela inclinação, por outro lado, já é sinal de que estamos perto das ruínas, e isso já dá um ânimo extra para nós. Fomos vencendo bem devagar pois mesmo com uma temperatura mais fresca a gente não queria esforçar muito para ganhar velocidade depois das ruínas já que seria tudo descida.

Foto: Roberto Bessa
     Fizemos a clássica parada nas ruínas para mais uma vez fazer umas fotos e seguimos dalí. Desse ponto até o ponto do ônibus em Fagundes leva em torno de uns 40 minutos, ainda mais que a temperatura colaborou e o sol já estava baixo, e isso acabou fazendo com que a gente andasse mais rápido. Chegando no final da caminhada, fui conferir o wikiloc e vi a quilometragem aproximada e era em torno de 20,25 Km, que percorremos em aproximadamente 9 horas de caminhada fazendo em torno de 5 paradas para não ficar cansativo.

Foto: Roberto Bessa
     Sei que muitos vão falar que andamos muito devagar, mas o intuito de fazer caminhada é passear, conhecer, explorar e não fazer maratona, e podemos dizer que conhecemos bem, aproveitamos bem, tiramos muitas fotos, comemos tão bem que sobrou bastante comida e o mais importante é que a diversão foi garantida! Então, recomendo vocês!!! Faça essa caminhada, o visual é lindo do início ao fim, vou deixar o mapeamento do Wikiloc aqui para que possam seguir ok! Abraços e até a próxima!



Foto: Roberto Bessa


Foto: Roberto Bessa

Foto: Roberto Bessa


Foto: Roberto Bessa

Foto: Inês Loos

Foto: Inês Loos

Ponte de arame  -Foto: Roberto Bessa

Foto: Roberto Bessa

Foto: Inês Loos

Clássica foto nas Ruínas
Foto: Inês Loos

Ruínas - Foto: Roberto Bessa

Foto: Roberto Bessa

Montanhas já com o sol bem baixo iluminando elas
Foto: Roberto Bessa


Apoio Cultural:

Conheça nossos apoiadores!

Fique por dentro:


Conheça nossa página

segunda-feira, 12 de junho de 2017

Arrumar trabalho em viagem

Uma coisa muito interessante pra quem é verdadeiramente um mochileiro:

São João Del Rey - MG
Foto: Roberto Bessa
     Todo mundo gosta de viajar não é? Mas nem sempre podemos dispor de uma quantia significativa para fazer aquela viagem né? Uma opção, que apareceu assim que surgiu o estilo "mochileiro" (vide aqui), arrumar trabalho durante a viagem para ajudar nos custos. Isso é possível? Sim, é possível! E essa matéria é para te mostrar como!

    São diversos os tipos de trampos que você pode arrumar, pode ser ajudando em albergues, restaurantes, até dando aulas de idiomas, enfim, as oportunidades são muitas e só vai depender de suas habilidades de trabalho e ser cara de pau, mas também existem ferramenta na internet que podem te ajudar nisso. 

Granja Comary - Teresópolis
RJ - Foto: Roberto Bessa
     Uma delas é a Workaway, é um site onde você pode se cadastrar em vagas durante sua viagem, porém algumas vagas é necessário pagar uma taxa de 30 Dólares (válidas por 2 anos) que dá o direito de você se cadastrar em diversas vagas.

      Outra plataforma que auxilia a encontrar emprego é o worldpackers, também é um site que você se cadastra (paga uma taxa para todas as vagas candidatadas) e a maioria dos trabalhos são em albergues, mas valem a pena para trocar por hospedagens.

     Uma forma legal também de conseguir trabalho viajando, é dando aulas de idioma em comunidades locais. Por mais que parece improvável, muitas comunidades aceitam esse tipo de trabalho que pode ser trocado por comida, hospedagem ou até dinheiro mesmo. Um site chamado Aiesec auxilia nisso, é um site de intercâmbio e proporciona oportunidades em diversas áreas e com duração de 3 semanas a 1 ano, conforme a área selecionada.

Tiradentes - MG
Foto: Roberto Bessa
     Se você tem alguma habilidade com as mãos, fazer artesanato e vender nas praças de algumas cidades é a maneira mais antiga e comum de conseguir verba para uma viagem, mas seja criativo, pois existem muito vídeos no YouTube ensinando a fazer pulseiras, colares e etc então ponha a criatividade em cena e venda sua arte.

     Ser voluntário dentro da área que você já atua é uma das opções mais procuradas entre quem faz mochilão pela América do Sul e existe um site também que é conhecido por quem coloca a mochila nas costas, o Volunteer South America é um site de trabalho voluntário que oferece muitas oportunidades em áreas diversas, basta entrar e se cadastrar.

São João Del Rey - MG
Foto: Roberto Bessa
     Bom, opções não faltam, agora basta você usar a sua habilidade profissional ou artística, a sua cara de pau e os sites que auxiliam na busca do seu trabalho para diminuir suas despesas ou fazer com que ela chegue a zero. Se você não quiser depender do mundo virtual, a boa e vela cara de pau resolve muito bem em alguns lugares, eu te garanto! Mas lembre-se de ser educado, cordial e simpático.

     Encare o trabalho durante sua viagem como uma oportunidade de conhecer novas pessoas e fazer amizades, conhecer culturas e costumes diferentes, então, mais do que um simples trabalho, encare como uma excelente oportunidade de adquirir conhecimento e ainda ganhar pra isso (ou deixar de gastar) ok! Então se você tem alguma experiência assim, comente ai embaixo nos comentários e divida com todos nós! Boa viagem e até a próxima postagem!
Não deixem de conferir nossas redes sociais:
Facebook
Instagran
YouTube


Cabo Frio - RJ  -  Foto: Roberto Bessa

Santos Dumont - MG   -   Foto: Roberto Bessa

Basílica de Aparecida do Norte - SP
Foto: Roberto Bessa

Apoio cultural:



Fique por dentro:


segunda-feira, 5 de junho de 2017

Travessia Uricanal

Mata fechada, água, muita água e muito contato com a Natureza viva:

Foto: Roberto Bessa
     Um dos lugares que não me importaria de voltar todos os dias é a travessia Uricanal, e foi nela que fui ontem! A trilha estava bem aberta pois "limparam" ela um tempinho atrás. Essa época do ano, mesmo não chovendo tanto, estava bem úmida a trilha o que faz os charcos ficarem bem difíceis de serem transpostos, mas com cuidado e paciência (e sem pressa) você consegue se divertir e aproveitar o que a natureza te oferece!

    Novamente não vou descrever como chegar, pois já descrevi aqui (primeira postagem do blog, clique aqui), mas como a trilha sofreu um pouco com a ação dos vândalos de plantão, só recomendo que vá na trilha com uma pessoa que já a conheça bem, porque na parte final da trilha existem umas trilhas que "surgiram" do nada. 

Início da trilha - Foto: Roberto Bessa
     Mesmo quem já conhece, sugiro explorar uma trilha que surge na última travessia do rio, a trilha certa é a esquerda, mas à direita leva você para um pequeno poço com uma queda pequena de água que vale uma foto com certeza! Mas só faça isso se você estiver com alguém que conheça a trilha bem ou se tiver um bom senso de orientação.

      Outro ponto que deve-se tomar muito cuidado, é a descida depois da plaquinha no final da trilha onde se junta à trilha do Alcobaça. Essa descida deve ser feita com cuidado! É escorregadia, então não adianta pensar que é "maratonista" e ficar apostando corrida pra ver quem desce primeiro (igual à uns débeis mentais que fizeram isso ontem). Fazer trilha, caminhada ou qualquer atividade ao ar livre é acima de tudo ser responsável, e andar em grupo é andar em grupo, o que significa respeitar os limites das pessoas que estão com você! Regra numero 1 de uma trilha bem sucedida: Quem dita o ritmo é quem tem mais dificuldade!
Foto: Roberto Bessa

     No mais, desejo que você possa curtir essa incrível trilha com responsabilidade, sempre respeitando seus limites e os limites de quem está com você, mas principalmente respeitando a natureza! Boa trilha e a té a próxima postagem!




Foto: Roberto Bessa

Foto: Manoel Netto

Foto: Roberto Bessa

Foto: Roberto Bessa

Foto: Manoel Netto

Foto: Manoel Netto

Panorâmica - Foto: Roberto Bessa
Foto: Roberto Bessa

Já no fim - Foto: Roberto Bessa
Maritacas comendo caqui - Foto: Roberto Bessa

Vídeo:


Apoio cultural:


Fique por dentro: