terça-feira, 25 de abril de 2017

Festa em Sebollas

Sebollas, a festa em homenagem seu antigo morador:

Foto noturna nas ruínas - Foto: Roberto Bessa
     Essa semana, nosso blog trás para você a festa em homenagem à Tiradentes lá em Sebollas. Uma festa muito animada, tipicamente de interior e que particularmente recomendo a todos que visitem, sempre nos dia 21 de Abril. Como a gente faz sempre esse roteiro, decidimos caminhar até Sebollas saindo ali de Anápolis, o tempo estava bem agradável e o sol deu uma trégua durante o percurso. Na volta tivemos a vantagem de caminha a noite, o que fez render bastante nosso regresso.



Foto: Roberto Bessa
     Descemos em Anápolis e seguimos para Sebollas pela estrada do Retiro (aquela que sempre descrevemos, para ver clique aqui), como falei acima, o sol estava bem brando e tímido atrás das nuvens o que nos fez render bem na caminhada. Paramos no mesmo ponto que da última vez para fazer um pequeno lanche e seguimos para a festa, da bifurcação em diante o tempo foi abrindo e quando chegamos estava  ótimo.


Foto: Roberto Bessa
     Quanto a festa, estava bastante animada, com exposição de carros, bastante barraquinhas, o restaurante estava entupido de gente (rsrsrs) e tinha algumas apresentações, conseguimos ver a de roda de capoeira, confira no vídeo. Também tinha apresentações musicais no restaurante, mas como estava bem cheio não deu para assistir. Um show a parte, foi o forrozinho que rolava num barzinho na saída para Paraíba do Sul, paramos ali para curtir um pouco antes de pegar a estrada, também não deixe de conferir no vídeo!

Foto: Roberto Bessa
     Falando em pegar a estrada, nossa ideia era pegar o por do sol durante a caminhada, mas estava tão bom em Sebollas que saímos tarde e acabamos vendo o sol se esconder por lá mesmo. Mas pegamos a estrada com um pouco de luz ainda, chegando no totem da Estrada Real (que é um ponto onde nunca deixo de tirar uma foto, pois a paisagem é muito linda) a luz estava já baixando e rendeu uma coloração azulada incrível na foto. A noite foi chegando e chegou também a hora de ascender as lanternas, foi mágico ver as estrelas no céu, diga-se de passagem não vemos na cidade tantas estrelas como vemos em locais mais afastados como este. Chegando nas ruínas, lógico que eu não poderia deixar de registrar o momento, rendeu essa foto linda que ilustra o início da postagem.

Aero Willis - Foto: Roberto Bessa

     Quanto a caminhar a noite na estrada, aconselho muito! Faça! Mas evite em dias de festa, pois o movimento estava muito grande e com isso vem muita gente de fora (que não sabemos das intenções). Durante um fim de semana sem festividade você encontrará quase nenhum carro na estrada, vai valer muito a pena. Lembre-se de levar uma ou mais lanterna (potente de preferência) ou pilhas extras para não ficar na mão ok, e lembre-se também que existem muitos animais com hábitos noturnos, então atenção onde pisa ok. No mais, faça uma caminhada noturna, você vai amar! Até a próxima!

Veículos Militares - Foto: Roberto Bessa

Matriz de Sebollas - Foto: Roberto Bessa

Festa em Sebollas - Foto: Roberto Bessa
Por do sol em Sebollas - Foto: Roberto Bessa

Cair da tarde em Sebollas - Foto: Roberto Bessa

Saída de Sebollas - Foto: Roberto Bessa

Foto: Roberto Bessa

A noite vem chegando - Foto: Roberto Bessa

Totem e o azulado do cair da noite - Foto: Roberto Bessa

Amiguinho de Sebollas
Foto: Iracema Loos

Mapa da Estrada Real - Sebollas
Foto: Iracema Loos

Foto: Iracema Loos

Casinha iluminada a noite com um laguinho
Foto: Roberto Bessa

 Vídeo:



Para informações sobre Sebollas, clique aqui.
Página de Sebollas no facebook, clique aqui.
Horário de ônibus (Fagundes x Sebollas):
Segunda à Sábado:
11h e 16h saindo de Fagundes
Horário de ônibus (Paraíba do Sul x Sebollas):
Segunda à Sábado:
10h e 15h saindo de Paraíba do Sul

Apoio cultural:



segunda-feira, 17 de abril de 2017

Origem dos mochileiros

Origem e história da maneira mais sonhada de viajar:

Mochileiro da América
Selfie: Roberto Bessa
     Olá pessoal, essa semana vou trazer pra vocês a história da maneira mais mágica e antiga do mundo quando se fala em viagem, o mochilão! O mochilão em si começou muito antes de existirem as mochilas, sim, começou com os índios americanos (Incas, Astecas e Tupis entre outros) que não possuíam cavalos ou carroças, eles simplesmente carregavam pequenos objetos amarrados aos corpos e os maiores em cestos amarrados nas costas (o que faz lembrar uma mochila).
     A mochila (como a gente conhece) surgiu após a escravidão pois assim cada um tinha que carregar a própria tralha ou invés de mandar os outros carregarem. As primeiras pessoas a necessitarem da mochila, foram os soldados, principalmente os americanos, pois aqui nas Américas, os caminhos eram grandes, sem bases de apoio para seus suprimentos. Então sobrava para os soldados carregarem seus itens essenciais e para sua sobrevivência durante as jornadas. 
Asiáticos usando uns cestos semelhantes
aos cestos indígenas. Foto: Internet
Créditos na própria imagem
     Bom, depois do término das grandes guerras mundiais, os próprios soldados e ex-soldados perceberam que a mochila poderia ser usada em outras atividades que não eram ligadas ao exercito, tais como viagens, montanhismo e no próprio dia a dia para carregar objetos pessoais. Outras pessoas vendo o uso prático do equipamento, adotaram a mochila em suas vidas. Algumas mochilas do pós guerra acabaram com uso civis, popularizando cada vez mais a prática arte de viajar carregando o essencial.
     Nos anos 60, com a popularização do movimento Hippie, muitos jovens começaram a por a já conhecida mochila nas costas e se aventurar por esse mundão velho de meu Deus, difundindo ainda mais o estilo de vida dos mochileiros. Já na década seguinte, esses mesmos jovens não eram mais vistos da mesma maneira, pois eles tinham adquirido uma cultura jamais ensinada em escolas, eles agora eram poliglotas, eram experientes em relação aos "medrosos" que não encararam o mundo. Dois livros despertaram o interesse nos jovens da época e podem ser considerados os "manuais" dos mochileiros da época: Travel Guide Book & Across Asia, mas não vou me prender a descrever nenhum deles pois se houver interesse de vocês, basta fazer uma pesquisa na net. 
Soldados da Segunda Guerra e suas mochilas
Foto: Blog Rota Perdida (Internet)

     Mochileiros no Brasil:

     Infelizmente no Brasil quando você fala que é um mochileiro logo é associado à um pobretão, que não tem dinheiro para ir em lugares que gostaria e vai com a cara e a coragem e não vai ter onde dormir e nem o que comer a não ser que dependa de favores. Mas a verdade não é essa! Eu mesmo já sofri várias vezes esse pré conceito pois sou meio raiz quanto a esse tipo de viagem. O movimento mochileiro surgiu para que você encontre respostas para a vida, fazer novas amizades e lógico conhecer novas culturas, e isso nenhum pacote da CVC vai proporcionar aos viajantes.
     Outro pré conceito que os mochileiros enfrentam é quando dormem em Albergues, muitos associam albergues à abrigos de mendigos ou desabrigados, o que na verdade não é. Albergue é um meio barato de se hospedar e fazer novas amizades, de certa forma é uma maneira mais "liberta" de se hospedar! Mas esses pensamentos aos poucos estão sumindo na mente dos brasileiros, que estão conhecendo a arte de mochilar aos poucos. 
Mochila semi-cargueira - Foto: Roberto Bessa
     Resumindo, com um pacote de viagem, você certamente irá conhecer vários pontos turísticos e muito pouco da cultura de um lugar, em um hotel com todos os confortos, você nunca vai conhecer novos viajantes (de outras cidades e até países) como conhece dormindo em albergues. E a parte que eu mais gosto (e também quase ninguém entende) é que particularmente prefiro fazer 99% do meu roteiro de ônibus, onde também é possível conhecer pessoas viajantes de diversas localidades e conhecer cidades que certamente você passaria por cima se estivesse voando em um Boeing.
     Quase ia me esquecendo que em alguns países da Europa é bem comum viajar à pé por longos trechos, e existem bases que dão apoio para que o viajante pouse por ali para seguir viagens no dia seguinte. Esses pontos podem ser desde pessoas que cedem o quintal para que os viajantes montem suas barracas até os que oferecem o sofá para que eles passem a noite, além dos albergues também.
Mochileiros no Morro Açu durante a
travessia Petrópolis x Teresópolis
Foto: Roberto Bessa
     Enfim, a cultura mochileira vem ganhando cada vez mais espaço entre os viajantes, os albergues vem sendo cada vez mais conhecidos e novos roteiros sendo descobertos. Aos poucos o Brasil vai se adaptando a essa nova/antiga modalidade de viagem, as mentes vão se livrando dos pré conceitos e mochilar acaba sendo a arte cada vez mais admirada! Então, bora mochilar! Até a próxima!

Dicas:

O melhor planejamento é não planejar nada: Sim, só planeje mesmo o destino, depois faça amizades com outros viajantes no ônibus, no albergue, ou até mesmo nas ruas da cidade de destino.

Seja ousado: Sim, pergunte, conheça, endague mas sempre seja prudente ok.

Não tenha vergonha: Seja o mais cara de pau que você conseguir, se der, pegue carona, converse sobre tudo, pergunte sobre tudo, esqueça um pouco os aplicativos de celular e use a melhor ferramenta de busca, pergunte!
Mochileiro da América em uma viagem
à pé - Selfie: Roberto Bessa

Se livre da tecnologia por um tempo: Aplicativos de celular são bons, mas a melhor parte você vê com os olhos e não com a ponta dos dedos. Aplicativos podem dar uma ajuda, mas conhecer o que não é conhecido é o que realmente vai fazer sua viagem valer a pena. Lembre-se, nem tudo está nos aplicativos, tem lugares e coisas que somente as pessoas locais (pessoas simples e comuns) conhecem.

Fuja do comum: Sim, muitos vão para apenas os grandes centros, cidades conhecidas, mas as cidades menos divulgadas escondem por muitas vezes diversas culturas, atrações que as grandes não tem!

Fontes:

Blog: Rota Perdida


sexta-feira, 7 de abril de 2017

Morro do Cortiço

Morro do Cortiço, dessa vez com céu aberto!

Panorâmica do Morro do Cortiço - Foto: Roberto Bessa
Entrada da trilha
Foto: Roberto Bessa
     Olá pessoal, essa semana fomos no Morro do Cortiço, dessa vez somente eu e Iracema e o tempo ajudou muito, pois estava bem aberto o que rendeu muitas fotos lindas e até uma panorâmica (rsrsrs). Bom, o caminho já descrevi anteriormente (clique aqui), então vou relatar o passeio em si ok! O Morro do Cortiço recebeu esse nome porque alguns moradores residiam em grandes casarões feitos em madeira próximo ao sopé da montanha. A entrada está bem fechada e tem que olhar com muita atenção para que se note a entrada da trilha ok! Depois de entrar basta seguir o que já relatei antes ok!

     A chegada ao cume da montanha é muito legal, pois de um lado encontra-se Petrópolis, e logo de frente toda orla do Rio de Janeiro e Baixada Fluminense (já vale uma foto ai). Mas o visual mais bacana está seguindo à direita onde ficam umas pedras, tem até um lugarzinho legal que dá pra se esconder do vento, que neste caso, estava forte pra caramba. E falando em vento, tomem muito cuidado com vento forte para não ficarem muito na beira de pedras ou da própria montanha, pois quando menos se espera ele pode te empurrar da montanha e ocasionar um acidente fatal ok.
Clareira na subida da trilha
Foto: Iracema Loos

     Bom, o Cortiço é uma das montanhas com o visual mais bonito, vale subir cedinho e ver o sol nascer atrás do Cobiçado ou subir mais tarde e ver o sol se pondo no mar, ai fica à sua preferência. Uma outra coisa muito legal também é acampar na clareira que fica um pouco antes do cume, cabe umas 3 barracas ali, ou até mesmo você pode ficar ali o dia todo se abrigando do sol forte e subir mais tarde para ver o por do sol (veja o vídeo).  O importante é que opções não faltam e o visual vale muito a pena! Super recomendo! 

     O que posso falar agora é: vá e se divirta, curta a natureza e o mais importante, preserve esse patrimônio que é seu, meu e de todos! Até a próxima!

Foto: Roberto Bessa

Agulha Itacolomi vista do Cortiço - Foto: Roberto Bessa

Foto: Roberto Bessa

Foto: Roberto Bessa

Foto: Roberto Bessa

Foto: Iracema Loos

Foto: Roberto Bessa

Nascer do sol com a pedra do cortiço ao fundo, foto de celular
Foto: Roberto Bessa

Igreja de São Sebastião
Foto: Roberto Bessa

Vídeos:


Apoio cultural:



Loja do meu grande amigo André Luiz







sábado, 1 de abril de 2017

Artes no mato x Febre Amarela

É bom não vacilar!

     A gente tem escutado bastante nas televisões, internet e rádios que a febre amarela está de volta, é uma assustadora realidade, portanto venho hoje aqui no blog falar sobre a importância de se vacinarem, principalmente se você gosta de ir para o mato que nem eu! Antes de mais nada, vou ressaltar que MACACO NENHUM TRANSMITE FEBRE AMARELA OK, e acreditar nisso é pura ignorância, e infelizmente estou vendo os pobres primatas sofrendo por causa da ignorância humana. 
     As vacinas já estão disponibilizadas nos postos de saúde, não precisa de alarde ok, basta ir se vacinar tranquilamente pois o governo vai garantir que TODOS sejam vacinados! Mas porque a febre amarela voltou? A resposta mais lógica que recebi foi a de um biólogo já falecido André Ruschi. Vou transcrever um texto que recebi ontem no whatsapp:

"O finado André Ruschi (biólogo e ambientalista, filho do cientista Augusto Ruschi) com seu amigo, visitaram  uma fazenda no município de Baixo Guandu no ES, que fica às margens do Rio Doce, para fazer uma análise do rio. André fez a seguinte pergunta para o gerente da fazenda: "Você tem ouvido os sapos?" O gerente respondeu que não, então André disse: "Então se preparem para um surto de FEBRE AMARELA, pois, sem peixes e sapos é inevitável isso acontecer. Entende agora? Há 1 ano e alguns meses atrás, a lama no Rio Doce matou os peixes que comiam as larvas e sapos que comiam os mosquitos que transmitem a FEBRE AMARELA."

     Então podemos concluir que a culpa de tudo não deve ser atribuída aos macacos e sim a nós mesmos, seres humanos que não cuidam do próprio lar! Temos muito que repensar sobre o que estamos fazendo com a natureza, vou até aproveitar para colocar dois vídeos que fiz denunciando desmatamento na trilha do Caminho do Ouro para que possamos refletir sobre o mundo que estamos deixando para nossas gerações futuras ok! Um forte abraços à todos!

Videos:


Apoio cultural: