terça-feira, 29 de março de 2016

Vale de Montanhas

Passeio entre montanhas do vale do Carangola e Retiro:

Vista para a Pedra do Retiro - Foto: Roberto Bessa

Siga as motos, ou Cavalos, ou vacas...

Nascer do Sol - Foto: Roberto Bessa
     Olá pessoal, hoje fomos fazer o Seio de Vênus, mas erramos a entrada (ainda bem) e acabamos conhecendo um vale de montanhas maravilhoso! Conhecemos em torno de 5 morrotes e uma montanha. Primeiro subimos em uma montanha que levou em torno de 20 minutos de subida, mas lá de cima se tem um visual muito lindo e vale a pena, são dois cumes, um maior e um menorzinho. Entre um cume e outro, tem uma trilha bem discreta que te leva a um plator com 2 curiosas bandeiras.
     Do alto do cume, dá pra avistar as outras trilhas em morrotes abaixo, confesso que me surpreendi fazendo o reconhecimento do local, porque não esperava que fosse tão lindo. Descemos a trilha mais marcada e seguimos em direção aos outros morrotes, não tem um roteiro a se seguir, mas recomendo que você faça as trilhas só se for com alguém que conheça bem o local ou se tiver um senso de direção muito bom, pois é muito fácil se perder e sair em outro ponto da cidade. O pessoal de trilha de moto parece fazer presença constante no local pois existem muitas marcas de motos, como disse antes, existem vários caminhos pra se chegar ao Seio de Vênus, da mesma maneira que eu me perdi (novamente agradeço por isso), pessoas menos experientes podem entrar pelo Carangola e sair no Retiro facilmente sem nem se darem conta, portanto vá com alguém que conheça o local (me disponibilizo a ir)!
Subida - Foto: Roberto Bessa
     Semana que vem vou ao Seio de Vênus, sem errar rsrsrs, então vou por as filmagens juntas, por isso não vou divugar essa semana os vídeos, vou descrever abaixo como subir até a montanha principal dessa aventura, não irei descrever o restante das trilhas, pois são muito confusas e no fim das contas, todas as trilhas vão para todos os lugares. Então, boa trilha para quem quer se aventurar!

Como chegar:

     Basta pegar qualquer ônibus que vá para o Carangola, pede para descer na terceira rua a esquerda (Rua Professor Narciso), suba a rua até o calçamento de paralelepípedo acabar e chegar a uma ruazinha de cimento, o cimento acaba e se torna uma rua de terra, quando chega um pouco antes da casa de numero 619, pega-se a ruazinha à direita, ai começa a trilha.
Cruz que marca o topo do morrote principal - Foto: Roberto Bessa
     Depois de sair da mata, tem uma curva em cotovelo à direita, suba por ela, bem lá a frente uma trilha vindo da esquerda chega e se funde à trilha que você estará, você pode entrar por ela, depois mais a frente, pegue a subida à direita bem marcada a frente. Você também pode optar por seguir a trilha principal em frente e quando chegar na entrada da trilha do Seio de Vênus, siga em frente mais um pouquinho e pegue a trilha que sobe a esquerda.
     A primeira entrada descrita, você chegará ao cume maior, a outra ao cume menor. Se você quiser visitar as outras trilhas e morrotes, é só olhar lá de cima que todas as trilhas vão para todos os lugares, e lá de cima você avista a que melhor se encaixa ao seu perfil!
     Boa trilha e divirta-se! 




Plator - Foto: Roberto Bessa

Plator e bandeira ao fundo - Foto: Roberto Bessa


Indo em direção a outro morrote - Foto: Roberto Bessa

Vista do Cobiçado ao fundo - Foto: Roberto Bessa

Pedra do Retiro ao fundo - Foto: Roberto Bessa

Ao fundo: Pedra do Retiro (esq.), Seio de Vênus (dir.) e Morrotes
Foto: Roberto Bessa

Subida para o segundo plator com bandeira - Foto: Roberto Bessa

Vista para cadeia de montanhas - Foto: Roberto Bessa

quinta-feira, 24 de março de 2016

Fagundes x Alberto Torres

Travessia com trilha sonora dos pássaros


Pássaros do caminho - Foto: Roberto Bessa
      Olá pessoal, atualizando o blog, vou apresentar hoje nossa caminhada dessa segunda. Esta semana fomos de Anápolis (Petrópolis RJ) à Alberto Torres (Areal RJ), passando por Sebollas (Paraíba do Sul RJ), ou seja, passamos por três cidades. A primeira parte da caminhada, já descrevia na primeira vez que fomos a Sebollas (confira aqui), dessa vez aproveitei para explorar os pássaros e borboletas da região.
     Paramos em Sebollas para um lanche, afinal de Anápolis até Sebollas ou Inconfidência como também é conhecida, levamos apenas 2 horas de caminhada num passo bem tranquilo e calmo. Vou descrever a segunda parte do passeio, que são aproximadamente de 1 hora e meia de caminhada.
     Saímos de Sebollas em direção à Alberto Torres, que é o caminho contrário à Fagundes com descrito anteriormente no blog. Seguimos pela esquerda, a estradinha é bem curiosa pois existem áreas em que ela é margeada por mata fechada (trecho pequeno), logo depois aparecem sítios e casas e mais a frente um rio que segue em paralelo à estrada. Quando estiver no finalzinho da caminhada aparece uma usina do lado direito e alguns curiosos tubos canalizando água das montanhas. A paiságem é muito linda, sempre com muitos pássaros, e muitos sítios bem peculiares.
     Vale muito a pena, você consegue avistar Tucanos, Gaviões, Canários, Freirinhas, Águias (sim, eu vi), enfim muitos animais interessantes. Não deixe de conferir, boa caminhada!


Foto: Roberto Bessa

Nos observando na trilha - Foto: Roberto Bessa

Sebollas / Inconfidência - Foto: Roberto Bessa

Saída para Alberto Torres - Foto: Roberto Bessa

Foto: Roberto Bessa

Foto: Roberto Bessa

Curioso Tubo de água cruzando a estrada - Foto: Roberto Bessa

Foto: Roberto Bessa

Foto: Roberto Bessa

Foto: Roberto Bessa

segunda-feira, 21 de março de 2016

Areal X Fagundes

Travessia muito interessante!

Areal - Foto: Roberto Bessa
     Olá pessoal, primeiramente, queria pedir desculpas por ter deixado o blog um pouco desatualizado, mas por motivos pessoais e profissionais não pude manter atualizado à duas semanas. Vou relatar a caminhada do dia 07/03, pois na semana passada não fizemos por conta dos meus problemas, Ok!
     A caminhada é de fácil orientação, mas o início dela ficou um pouco confuso para gente, porque nunca tinhamos feito ela antes. Quem nos falou da caminhada, disse para a gente pegar o Posse Gaby no terminal de Itaipava e depois seguir em direção ao centro de Areal, e antes de chegar ao centro, subir uma rua à esquerda que sai na BR-040, mas não encontramos essa tal rua, então fomos até a saída da cidade e pegamos a BR no sentido que os carros pegam, depois voltamos até o Km 40 andamos mais um pouquinho e logo surge uma estradinha à direita, basta seguir essa estradinha, um pouco mais a frente (aproximadamente uns 15 min. de caminhada) surge um curioso trailler de lanche chumbado no chão, você deverá pegar a estrada da direita, que sobe (muito por sinal), no fim da subida, surge um vale muito lindo que você não pode deixar de tirar foto lá! 
BR-040 - Foto: Roberto Bessa
     Acabando a subida, daí pra frente, só alegria, é só descida. Mais ou menos na metade do caminho, você chega a um lugarejo chamado Sítio São Lourenço, que tem uma bica d'água onde você pode e deve abastecer suas garrafas (não deixe de levar no mínimo 3 garrafas) porque o sol nessa região castiga e você deverá se hidratar bastante. Mais a frente da bica, tem um bar que é um excelente lugar para descanso. Seguindo em frente, você irá chegar até as ruínas que descrevi na caminhada de Sebollas (confira aqui).  
     Depois das ruínas, mais uns 40 minutos e você chegará em Fagundes. O que torna a caminhada um pouco cansativa, é que jogaram asfalto em boa parte da estrada, e o asfalto combinado com mormaço fez a caminhada se tornar cansativa e tivemos muita necessidade de água. Em breve a estrada que passa ali pelas ruinas estará toda asfaltada, isso com certeza vai fazer com que o passeio seja cansativo e com certeza vai acabar perdendo um pouco o encanto, mas enquanto isso não acontece, vamos curtindo! Espero que você goste de fazer essa caminhada, não deixe nunca de levar uma câmera fotográfica ou uma filmadora, um protetor solar e muita água também são muito essenciais! Boa caminhada!!!



Foto: Roberto Bessa

Vale no fim da subida - Foto: Roberto Bessa

Sítio São Lourenço - Foto: Roberto Bessa

Bar no sítio São Lourenço - Foto: Roberto Bessa

Ponte de arame - Foto: Roberto Bessa

Ponte de arame - Foto: Roberto Bessa

Ponte de arame - Foto: Roberto Bessa

Animais na pista - Foto: Roberto Bessa

Foto: Roberto Bessa

Ruínas - Foto: Roberto Bessa

quarta-feira, 2 de março de 2016

Pedra de Itaipava

Pedra de Itaipava: Andando nas nuvens!

Foto: Roberto Bessa
     Olá pessoal, essa semana fui na Pedra de Itaipava, a aventura foi muito legal embora achei a subida bem desgastante e cansativa, mas no final, o visual valeu muito a pena! Fomos nesta segunda feira (29/02/2016), o tempo estava aberto na subida da pedra e começou a fechar quando chegamos no primeiro cume, porém isso não atrapalhou em nada o visual! Só fiquei devendo a foto da Maria Comprida mas fica para uma próxima.
     Uma dica para essa caminhada é ir com uma camisa de manga comprida pois tem uma vegetação que corta muito, então vale a pena suar um pouco mais e ir com manga comprida. Procure chegar o mais cedo possível, pois se com o tempo fechado foi cansativo, imagina com o sol queimando sua cabeça, então quanto mais cedo melhor!
     Pra chegar lá, você pode pegar o ônibus para o terminal Itaipava (700), dali do terminal, você tem duas opções: 1) pegar um ônibus que vá para Fagundes ou Vila Rica e descer no Km 57 da BR-040. 2) descer no terminal e ir a pé até o "Arranha Céu de Itaipava", desça na ponte a sua esquerda e atravesse a estrada por baixo, depois siga para direita até o Km 57 da BR-040, isso aumenta em mais ou menos 1 Km a caminhada. 
Marcação na trilha. Foto: Roberto Bessa
     Depois que você chegar no Km 57, entre na rua próxima ao ponto do ônibus e siga sempre a sua esquerda até a Rua B, no fim dessa rua você vai ver um condomínio à esquerda, a trilha está bem a frente e bem marcada siga por ela, após uma forte curva à esquerda, surge um plator ai surge duas opções, tem uma trilha a sua direita que sobe um barranco, ou uma trilha em frente as duas seguem para o topo, mas pegamos a da direita que sobe o barranco porque ela é mais bem marcada. Siga sempre pela trilha mais óbvia, quando você chegar no primeiro cume, vai surgir uma marcação (não sei do que se trata) pela trilha, só seguir ela para chegar ao segundo cume. Cuidado com os mosquitos e as formigas!
     Eu recomendo essa trilha, tomara que quando você for, o tempo não esteja tão encoberto, não deixe de levar uma câmera ok! Boa trilha! 

Foto: Roberto Bessa

Foto: Roberto Bessa


Foto: Roberto Bessa

Foto: Roberto Bessa

Foto: Roberto Bessa

Foto: Roberto Bessa

Foto: Roberto Bessa

Foto: Roberto Bessa

Foto: Roberto Bessa

Foto: Roberto Bessa

Foto: Roberto Bessa


Foto: Roberto Bessa